terça-feira, 24 de abril de 2012

A CRIANÇA E SEUS AMIGOS INVISÍVEIS

Photobucket
Tema central do filme “O Amigo Oculto”, estrelado por Robert DeNiro, as crianças realmente se entretêm com amigos imaginários?

Segundo diversos psicólogos, a resposta é sim, e o percentual dos casos apurados em todo o mundo revela que o fato é mais comum do que se pensa, ou seja, não é uma ou outra criança que diz conversar com amigos que ninguém vê. O seu número seria muito grande.

A questão que se impõe é, portanto, outra: Os amigos supostamente imaginários são fruto da imaginação infantil ou seres reais que os adultos não vêem mas que as crianças vêem e que com elas conversam, como fazem os amiguinhos encarnados?


A vidência mediúnica, que Allan Kardec estudou em minúcias nos itens 100 e 190 de “O Livro dos Médiuns”, é assunto pacífico no campo da fenomenologia espírita. Essa faculdade, que depende da organização física do médium, permite a este ver os Espíritos em estado de vigília, ou seja, estando o sensitivo perfeitamente acordado.

Como os fenômenos mediúnicos não ocorrem a revelia das autoridades espirituais superiores, é claro que há Espíritos que se deixam ver e há outros que não são vistos, o que não significa que estejamos sós, porquanto os desencarnados habitualmente nos rodeiam.

A propósito de um estudo feito pelo Dr. H. Bouley sobre a evolução da raiva nos cães, que experimentam nas intermitências dos acessos uma espécie de delírio, Kardec examinou o fenômeno das visões de seres desencarnados que ocorre com as criancinhas e com certos animais, sobretudo o cão e o cavalo, concluindo que, no tocante às crianças, a vidência mediúnica parece ser freqüente e mesmo geral. (Leia sobre o assunto a Revista Espírita de 1865, pp. 260 a 264.)

A existência da mediunidade de vidência, informam os Espíritos, foi a primeira de todas as faculdades dadas ao homem para se corresponder com o mundo invisível. Em todos os tempos e em todos os povos, as crenças religiosas se estabeleceram sobre revelações de visionários ou médiuns videntes. A Revista Espírita de 1866, página 120 a 123, trata do assunto.

Um fato de vidência numa criança de quatro anos, verificado em Caen, levou Kardec a reconhecer que a mediunidade de vidência não apenas parecia mas era, efetivamente, muito comum nas crianças, e isso, segundo o Codificador, não deixava de ser providencial.

 “Ao sair da vida espiritual, explicou Kardec, os guias da criança acabam de a conduzir ao porto de desembarque para o mundo terreno, como vêm buscá-la em seu retorno. A elas se mostram nos primeiros tempos, para que não haja transição muito brusca; depois se apagam pouco a pouco, à medida que a criança cresce e pode agir em virtude de seu livre arbítrio.” (Revista Espírita de 1866, pp. 286 e 287.)

Ninguém, pois, se assuste quando vir que seu filho anda a conversar com “amigos” que ele diz ver e que, no entanto, não vemos.

Até os sete anos de idade, o Espírito da criança encontra-se em fase de adaptação para a nova existência e ainda não existe uma integração perfeita entre ele e a matéria orgânica, fato que lhe permite emancipar-se e, eventualmente, ver vultos desencarnados que lhe fazem companhia, o que nos permite deduzir que os amigos imaginários das nossas crianças só o são na aparência. Eles não são imaginários, mas tão somente invisíveis.



Extraído do site oconsolador.com.br


Clique aqui para ler mais: 
http://www.forumespirita.net/fe/meditacao-diaria/as-criancas-e-seus-amigos-invisiveis-41709/#ixzz1szjWStW2

Um comentário:

Lua Negra disse...

Esses amigos sempre fizeram parte da minha infância.
Amada te desejo um lindo e abençoado final de semana.
Beijinhos de lavanda.
Lua.

BLOCO DE ANÚNCIOS

NÃO TERMINOU...

NÃO TERMINOU...
CLICK NAS POSTAGENS MAIS ANTIGAS E CONTINUE NAVEGANDO NO BLOG